quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Constelações

Dias como prendas
Recheadas
Explodir
Induzir
Tentativas
Quero alastrar
Sentir a tinta, devagar
Desenho na mão
Fujo
Reparo
Antevejo
Noites vazias, tremidas
Antes de mim
Vou traí-las, constelações
Perdidas
Nos seus próprios ódios
Nos seus prórprios fins

2 comentários:

Flávio Neto disse...

"Desenho na mão
Fujo"
Um dia qualquer, mas não um qualquer dia, suponho...
Mais de ti, é bom, continua!

O Raposo, the Foxman disse...

Todos os dias são uma nova prenda... de um cruel Pai Natal...