quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Casarão

És tu que abres a porta
Os acompanhantes não caminham
Dançam vociferados
Em perpétuas onde se esquecem

A lua esconde as horas do seu relógio nervoso
Um tic-tac de rubi imaculado contido
Tudo enquanto cruzas um olhar vestido
E as partes púrpura te dominam

Um comentário:

O Raposo, the Foxman disse...

Num mar prateado lunar, nem todo o púrpura é, de facto, roxo.