segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Chamas Brancas

Estou em chamas
Chamas brancas
Decapitadas
Chamas brancas
Partidas
Chamas que se esvaem
Penetrantes
Volto atrás
Puxas-me o braço em jeito superficial
Recorto pedaços do teu vestido
Espalho-os no chão do palácio
De luzes adormecidas
Sinto-te o sabor uma última vez
Aguardo por suspiros certos
Não me deixes assim
Estou a arder
E tu atiras-te por aí
A descrever o fogo

2 comentários:

AnCaLaGoN disse...

É fenomenal o quanto tu evoluis :)

O Raposo, the Foxman disse...

E dos cacos vítreos de luz, se fez um candelabro sem trono.